Editado por Mário Melo Costa

Portugueses em busca da glória no South by Southwest

June 29, 2018

 

10 DE MARÇO DE 2018  00:44

 

Ana Rita Guerra, em Austin

 

 

Uma morgue nos arredores de Los Angeles foi o cenário onde Norton filmou o videoclip da música "I Want You"

 |  Liam Underwood

 

O realizador Norton e os diretores de fotografia Martim Vian e Kevin Stewart têm obras no lendário festival de cinema, tecnologia, arte, música e ciência no Texas. O DN falou com os três sobre as vantagens de terem sido selecionados para este final que decorre até 18 de março.

Há dois cineastas portugueses nomeados no festival de cinema do South by Southwest - SXSW Conference and Festivals, que começou ontem em Austin. O realizador português Norton vai competir na categoria de Vídeos de Música e o diretor de fotografia Martim Vian participará na competição de Documentários do lendário festival na capital do Texas.

Uma morgue nos arredores de Los Angeles foi o cenário onde Norton filmou o videoclip para a música I Want You, de Chris Lake, com um casal de zombies dançarinos que lhe valeu a primeira nomeação para a competição num grande festival de cinema. "A nomeação é já o prémio para mim", diz ao DN o realizador, que vive nos Estados Unidos há mais de dez anos. "Sei que soa a cliché, mas como é o primeiro mega festival a que vou significa imenso." Norton não tem grandes expectativas de vencer. I Want You vai competir com mais 19 vídeos, incluindo vários pesos-pesados da indústria tais como Smile de Jay-Z, realizado por Miles Jay, ou Vowels dos Capital Cities, realizado por Remy Cayuela.

Ainda assim, a nomeação significa um reconhecimento precioso para o realizador, conhecido por vídeos de música e alguns anúncios comerciais para marcas como a Nike. Em I Want You, Norton brinca com a imagem de um casal sexy a dançar de forma inesperada. "Gosto da ideia de serem duas pessoas atraentes mas que ao mesmo tempo estão mortas, brincar com o humor negro", explica. O vídeo foi gravado numa morgue falsa inserida dentro de um cemitério real. "Inclusive jantámos num mausoléu onde havia placas de pessoas mortas à nossa volta", conta.

Norton mudou-se de Nova Iorque para Los Angeles há cinco anos e tem desbravado caminho na cidade dos anjos. "É claro que tenho altos e baixos e acho que vários realizadores se identificam com os falsos começos que há aqui", afirma, referindo-se à esperança de que seja sempre o próximo trabalho a lançá-los para o estrelato. "Tenho a completa noção de que os realizadores que já chegaram ao nível onde eu quero chegar estão nisto há muito mais tempo." O realizador trocou no mês passado a produtora Fat Gorilla pelos estúdios Greater Good, acabados de criar, e assinou no final de 2017 com a produtora nacional Krypton. "É no fundo um sonho tornado realidade", diz. "Às vezes até tenho de me beliscar para realizar que não estou a sonhar."

A presença portuguesa no festival é também assegurada por Martim Vian, o diretor de fotografia do documentário Social Animals, realizado por Jonathan Ignatius Green. O doc segue três adolescentes muito diferentes - um fotógrafo aventureiro, uma modelo e uma jovem do interior da América - que procuram a mesma coisa: conquistar fama e audiências a partir das suas contas do Instagram.

Nomeação dá visibilidade

"Tem a ver com o mundo social em que os adolescentes crescem hoje em dia. É a primeira geração que está a passar por isso", diz ao DN o cineasta português, revelando que houve filmagens em Lisboa mas essa porção acabou por ser cortada do resultado final. "Não faço ideia se podemos vencer", admite, colocando maior importância na visibilidade que a nomeação na categoria permite e na ajuda que será na procura de distribuição. "Os documentários estão a ter mais espaço hoje em dia com as plataformas digitais", refere.

Ao contrário de outros trabalhos narrativos, diz, o desafio dos documentários é deixar os sujeitos à vontade, porque não são atores. "A dificuldade é fazer um trabalho bom sem invadir o espaço das pessoas, que são reais", estabelece Martim Vian.

A presença em Austin é mais um bom indicador para o cineasta, que vive em Los Angeles. "Faço muitos anúncios em LA e tenho tentado fazer mais projetos de cinema", explica. Os resultados são visíveis: tem um piloto que irá passar no National Geographic, já teve uma série digital em Sundance no início do ano, High And Mighty, e terá o filme In a Relationship em Tribeca.

Mestre do horror

Não está a competir, mas há um filme da Blumhouse Productions - de Jason Blum, o mestre do horror - que vai estrear no SXSW e tem o luso-americano Kevin Stewart como diretor de fotografia. Realizado por Steven Susco, o título do filme de terror está ainda em segredo. "Faz um pouco parte do marketing e do mistério", diz ao DN Kevin Stewart.

Filho de mãe portuguesa e pai americano, Kevin Stewart viveu no Porto até aos 17 anos e acaba de completar um filme de terror cuja ação se passa na época medieval filmado em Portugal. Chama-se The Head e está neste momento em pós-produção. "Filmámos durante seis semanas em Trás-os-Montes em Fevereiro de 2017", revela. Parte do seu trabalho no SXSW será tentar encontrar distribuição para o filme.

O South by Southwest - SXSW Conference and Festivals decorre até 18 de março em Austin e inclui uma grande variedade de festivais e conferências, que vão do cinema à música, futuro inteligente, política e tecnologia.

Please reload

Segue-nos
  • Facebook Social Icon
Notícias Recentes
Please reload